Advogada é resgatada em situação análoga à escravidão no MS

Advogada é resgatada em situação análoga à escravidão no MS

A advogada havia sido atraída pela promessa de um bom emprego. No local, ela era mantida em situação análoga à escravidão, sem salário e por vezes foi agredida.

O caso aconteceu em Águas Claras (MS), quando uma advogada de 56 anos foi resgatada em uma chácara na última terça-feira (04/05), após uma denúncia anônima.

Entenda o Caso

De acordo com o delegado, tudo começou quando a advogada, originária de São Paulo, recebeu uma proposta de emprego para trabalhar em um suposto escritório no Mato Grosso do Sul.

Como a situação financeira estava difícil, ela aceitou. No entanto, o escritório não existia e a mulher foi mantida em condições análogas à escravidão por 6 meses.

Na chácara em que foi mantida, viviam uma senhora de aproximadamente 80 anos, seu neto e a esposa dele.

Ela fazia todos os trabalhos manuais, relativos à casa e o homem nunca pagou nada para ela. Tudo que ele prometeu não se concretizou

Agressão

Ela ainda mostrou à polícia fotos de um dia em que foi agredida, em que é possível notar hematomas em seu braço. De acordo com detalhes dados por ela em seu depoimento, o proprietário teria tido um surto violento e então teria batido nela com um porrete.

Foto: PCMS/Divulgação

Além disso, ela contou à polícia que o proprietário era extremamente agressivo.

passava o dia inteiro proferindo xingamentos, e em um episódio teve um surto de raiva, utilizando um porrete para quebrar o vidro de uma caminhonete e golpeando a vítima no antebraço com a arma branca”.

O delegado ainda relatou que a vítima tinha medo de sair do local, devido à agressividade do dono da casa, que por ter muitos contatos na cidade, poderia facilmente persegui-la.

As Investigações

O delegado informou que o suspeito não foi preso em flagrante.

Um inquérito foi aberto, mesmo que seja evidente a situação, temos que investigar. A vítima foi afastada e está em segurança.

De acordo com a polícia, o suspeito será investigado pelo crime de redução à condição análoga à escravo, com pena de 2 a 8 anos, e ainda pelo de lesão corporal grave, com pena de 1 a 5 anos.

Fonte: G1

Você pode se interessar também por:

Como escolher a disciplina certa para a 2° fase da OAB
Advogadas já são maioria nos quadros da OAB!
Conheça os assuntos que você não pode deixar de estudar para ser aprovado na OAB
Direito digital e financeiro serão cobrados na prova da OAB!

Tags:

  • Show Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

You May Also Like

OAB volta a debater autonomia universitária

A Comissão Especial de Defesa da Autonomia Universitária da OAB recebeu, na última sexta-feira, ...

Projeto propõe que serviços de advocacia sejam fiscalizados pelo Coaf

Projeto propõe que serviços de advocacia sejam fiscalizados pelo Coaf

Um projeto de lei de autoria do senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ) propõe que pessoas ...

Em primeira decisão após reforma juiz multa testemunhas

Conhecido por ser o primeiro magistrado a aplicar a Reforma Trabalhista, o juiz José Cairo ...

OAB cobra mais investimentos no judiciário

O Supremo Tribunal Federal realizou nesta terça-feira (19) a sessão de encerramento do ano ...