Advogado deverá indenizar em R$ 60 mil por perder prazo de ajuizamento de ação

Olá, oabeiros! Como vão os estudos? Viram essa decisão do TJ RS? Um advogado terá que indenizar em R$ 60 mil um cliente após perder prazo de ajuizamento da ação, levando à prescrição dos direitos do demandante! Saiba mais:

Indenização por ajuizamento tardio

Em decisão proferida no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, um advogado foi condenado ao pagamento de indenização por danos materiais estimados no valor R$ 30.000,00, pela perda de uma chance, além da indenização por danos morais no mesmo valor, totalizando R$ 60 mil.

Na ocasião, o ajuizamento tardio da ação judicial, levando à prescrição dos direitos do cliente, ocasionou a perda de direitos trabalhistas do cliente.

Estatuto da Advocacia e Código Civil

Conforme o artigo 32 do Estatuto da Advocacia (Lei 8.906/94), “Art. 32. O advogado é responsável pelos atos que, no exercício profissional, praticar com dolo ou culpa”.

Ademais, ainda conforme previsão no Código Civil de 2002, em seu artigo 667, “O mandatário é obrigado a aplicar toda sua diligência habitual na execução do mandato, e a indenizar qualquer prejuízo causado por culpa sua ou daquele a quem substabelecer, sem autorização, poderes que devia exercer pessoalmente.”.

Decisão do TJ RS

Segundo o Desembargador Leoberto Narciso Brancher, a responsabilidade do advogado pela falha na
execução do mandato é subjetiva, consubstanciando-se com a congregação dos seus pressupostos básicos, como o dolo e a culpa, o nexo causal e o dano causado ao cliente, não se podendo descurar, ademais, que o dever do advogado está relacionado à obrigação de meios, e não de resultado.

Ainda segundo o Desembargador, tal situação caracteriza-se na Teoria da perda de uma chance, além da caracterização do agir como dolo e culpa.

O relator das apelações no colegiado, desembargador Vicente Barroco de Vasconcellos, disse que o desempenho desidioso e negligente do mandato ficou suficientemente demonstrado nos autos. “Veja-se, pois, que sequer houve, na origem, a devida impugnação dos fatos narrados na exordial, haja vista a presunção de veracidade das alegações autorais ante a decretação da revelia do demandado, que sequer compareceu à audiência de instrução designada pelo Juízo”, complementou.

Para mais informações sobre o processo, clique aqui.

Tags:

  • Show Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

You May Also Like

STJ aumenta honorários advocatícios

Baseado no Novo Código de  Processo Civil, o Superior Tribunal de Justiça, STJ, majorou o ...

Direito Digital para Iniciantes

Uma evolução das ciências jurídicas. Evolução da própria advocacia e, consequentemente, da atuação do ...

Mulheres já são maioria em 10 seccionais da OAB

Os números, que podem ser vistos no site oficial da OAB mostram que a maioria ...

Estudante ganha na justiça direito de ser advogada

Em decisão judicial, a 8ª Vara da Justiça Federal, no Distrito Federal, garantiu a ...

STF suspende execuções trabalhistas que discutem correção monetária

Foi deferido pelo ministro Gilmar Mendes a liminar que determina a suspensão de todas ...