STF decide que advogados públicos podem receber honorários sucumbenciais

STF decide que advogados públicos podem receber honorários sucumbenciais

O STF, em julgamento realizado via plenário virtual, na última sexta, 19, decidiu pelo entendimento de que a natureza constitucional dos serviços prestados pelos advogados públicos possibilita o recebimento de honorários sucumbenciais. No entanto, a soma de subsídios e honorários mensais não deve exceder o teto.

A maioria do plenário seguiu voto divergente, aberto pelo ministro Alexandre de Moraes, ficando vencido o relator, ministro Marco Aurélio.

Os votos

– O voto do relator

Para o ministro Marco Aurélio, que teve o voto vencido, a valorização dos integrantes da advocacia pública não legitima possíveis atropelos e “atalhos à margem do figurino constitucional”. Diz ele ainda que:

Por imposição do princípio constitucional da publicidade, a desaguar na busca pela transparência na gestão administrativa, o patamar remuneratório dos agentes públicos há de ser fixado a partir do orçamento do órgão [em que o advogado público atua] ante as possibilidades advindas do que arrecadado a título de tributos

Portanto, decidiu julgar parcialmente procedente o pedido da PGR declarando a inconstitucionalidade do art. 85, § 19, CPC, bem como os arts. 27 e 29 a 36 da Lei n. 13.327/16.

Ele também restringiu o alcance da norma impugnada, o art. 23 do Estatuto da Advocacia para profissionais com atuação no âmbito privado, conforme a constituição

– Voto divergente

O voto divergente, que venceu a votação, veio do ministro Alexandre de Moraes. Para ele, a constituição aponta expressamente as hipóteses em que é vedado o recebimento de honorários. Ele cita como exemplo a proibição desses pagamentos a membros da magistratura e do MP.

Desse modo, prosperasse a alegada incongruência, seria desnecessário que o constituinte tivesse se ocupado de estabelecer vedações específicas destinadas a determinados agentes públicos

No entanto, ele afirma que a CF veda o recebimento de qualquer valor que exceda o subsídio mensal pago aos ministros do Supremo. Dessa forma, os subsídios cumulados com os benefícios não devem ultrapassar esse valor.

Em relação à observância do teto remuneratório constitucional, previsto no artigo 37, XI, da Constituição Federal, pouco importa a discussão sobre a natureza jurídica da verba honorária sucumbencial, detalhada pela Advocacia-Geral da União, mas sim o fato de serem percebidas pelos advogados públicos como parcela remuneratória salarial e, consequentemente, estarem sujeitas ao limitador previsto constitucionalmente

Assim, ele declarou a constitucionalidade do recebimento de honorários sucumbenciais pelos advogados públicos. Seguiram seu voto todos os ministros, exceto o relator e a ministra Carmem Lúcia, cujo voto não foi computado.

Você pode se interessar também por:

OAB/MG emite nota criticando a suspensão de prazos dos processos físicos
Presidente da OAB encaminha pedido de punição de advogado de Flávio Bolsonaro
PL propõe porte de arma para advogados
STF prorroga suspensão de prazos de processos físicos

Tags:

  • Show Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

You May Also Like

O ranking dos profissionais que menos dormem

Os profissionais que menos dormem

O Guia do Estudante fez um ranking dos 10 profissionais que menos dormem, segundo ...

Novo Adiamento da 2ª fase XXXI Exame de Ordem!

Atenção, oabeiros! Houve novo adiamento da aplicação da segunda fase do XXXI Exame de ...

Nova Lei nº 13.431 assegura direitos da criança e do adolescente

Foi publicada a lei nº 13.431/2017, que altera a Lei no 8.069, de 13 de julho ...

OAB terá de prestar contas ao TCU

Mais uma “boa” dor de cabeça para o presidente do Conselho Federal da OAB, ...