Dica De 1° Fase OAB: Controle de Constitucionalidade

 

Olá OABeiros de plantão! Para te ajudar a manter o ritmo intenso de estudos preparamos este resumão para você impulsionar ainda mais a sua preparação!

Venha conferir!

Controle de Constitucionalidade é um tema de suma importância no Direito Constitucional e possui bastante recorrência no Exame da Ordem. Mas o que seria controlar a constitucionalidade? Não se preocupe, nós te respondemos!

Para Alexandre de Moraes, “controlar a constitucionalidade significa verificar a adequação (compatibilidade) de uma lei ou de um ato normativo com a Constituição verificando seus requisitos formais e materiais. ” (MORAES, 2005, p. 627).

Classificação

Esta vislumbra em relação ao momento em que é exercida, se antes ou depois do ingresso do enunciado jurídico na respectiva ordem sendo assim, preventivo ou repressivo.

 

A modalidade preventiva é realizada durante o processo legislativo de formação do ato normativo e antes do projeto de lei ingressar no ordenamento jurídico. Enquanto que a modalidade repressiva, é realizado sobre a lei e não mais sobre o projeto de lei, dividindo-se ainda em controle difuso e concentrado.

 

 

  • Controle Difuso

Também conhecido como incidental ou concreto, caracteriza-se segundo Mendes (2008, p. 1067) por se tratar de demandas concretas de inconstitucionalidade.

Pode ser  realizado por qualquer pessoa em ação judicial ou por qualquer órgão judicial que detenha poder jurisdicional. Quando o controle difuso é feito pelos Tribunais, é necessário que seja obedecida a “cláusula de reserva do plenário”, nos termos do art. 97, CF/88.

O Supremo Tribunal Federal editou a seguinte súmula vinculante:

Súmula Vinculante nº 10 Viola a cláusula de reserva de plenário (CF, artigo 97) a decisão de órgão fracionário de tribunal que, embora não declare expressamente a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do poder público, afasta sua incidência, no todo ou em parte.

  • Controle Concentrado

É caracterizado por possuir efeito vinculante e eficácia erga omnes e sua incidência geralmente costuma ocorrer em normas em abstrato. Este “objetiva retirar do sistema jurídico a lei ou ato normativo em tese, ou em abstrato, tidos como inconstitucionais” (CARVALHO, 2008, p. 427). Pode apenas ser  provocado por legitimados específicos, previstos no artigo 103 da CRFB/88.

 

Fonte jurídica: Lei Seca, Jurisprudência e Doutrina.

CARVALHO, Kildare Gonçalves. Direito Constitucional: Teoria do Estado e da Constituição Direito Constitucional Positivo. 14 ed. Belo Horizonte. Del Rey, 2008.

MENDES, Gilmar Ferreira; Inocêncio Coelho; Paulo Branco. Curso de direito constitucional. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. São Paulo: Ed. Atlas, 2005, p. 627

 

Tags:

  • Show Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

You May Also Like

Como organizar os pensamentos na hora de falar em público

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos, em 1977, ficou muito famosa no mundo inteiro ...

Direito do Trabalho para advogados

A rotina do advogado trabalhista não é fácil. Marcada por uma infinidade de audiências ...

4 coisas que todo calouro de Direito precisa saber sobre o primeiro período

A transição entre escola e faculdade de Direito pode ser um momento conturbado para ...

Como otimizar os estudos após saída do edital OAB

Na última segunda-feira, dia 18 de Setembro, foi publicado o edital do XXIV Exame ...

Professor Guilherme Peña participa de reportagem do Fantástico

Diante do conturbado cenário político, parlamentares da oposição e da situação baseiam seus argumentos ...