Livramento condicional: aspectos importantes

Juiz é afastado de causa bilionária por favorecer cliente do filho advogado

O instituto do livramento condicional caracteriza-se como um benefício assegurado ao apenado. Através dele, é possível cumprir a penar em liberdade ou, em alguns casos, até extinguí-la.

Para que esse benefício seja concedido, o indivíduo deve cumprir os requisitos fixados nos artigos 83 a 90 do Código Penal – bem como nos arts. 131 a 146 da Lei de Execução Penal. O livramento condicional não diz respeito à redução dos efeitos da pena, mas sim a uma tentativa de reintegração e reinserção do apenado à sociedade.

Pela importância do tema para o Direito Penal, separamos aqui os principais aspectos quanto a esse instituto para te ajudar a revisá-los e turbinar sua preparação. Confira!

 

Requisitos e procedimentos

A competência para conceber o livramento condicional é do juiz de execução. Este também tem poder de suspendê-lo na hipótese de descumprimento dos requisitos e condições necessários à concessão do benefício. Além disso, este é suspenso também caso novos crimes venham a ser cometidos pelo apenado.

De acordo com o artigo 131 da LEP, para que seja concedido o benefício, é necessário que o Conselho Penitenciário e o Ministério Público sejam ouvidos.  Observa-se o dispositivo:

Art. 131. O livramento condicional poderá ser concedido pelo Juiz da execução, presentes os requisitos do artigo 83, incisos e parágrafo único, do Código Penal, ouvidos o Ministério Público e Conselho Penitenciário.

Lê-se, também, o artigo 83 do CP:

Art. 83 – O juiz poderá conceder livramento condicional ao condenado a pena privativa de liberdade igual ou superior a 2 (dois) anos, desde que:

I – cumprida mais de um terço da pena se o condenado não for reincidente em crime doloso e tiver bons antecedentes;

II – cumprida mais da metade se o condenado for reincidente em crime doloso;

III – comprovado comportamento satisfatório durante a execução da pena, bom desempenho no trabalho que lhe foi atribuído e aptidão para prover à própria subsistência mediante trabalho honesto;

IV – tenha reparado, salvo efetiva impossibilidade de fazê-lo, o dano causado pela infração;

V – cumprido mais de dois terços da pena, nos casos de condenação por crime hediondo, prática da tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, e terrorismo, se o apenado não for reincidente específico em crimes dessa natureza.

Parágrafo único – Para o condenado por crime doloso, cometido com violência ou grave ameaça à pessoa, a concessão do livramento ficará também subordinada à constatação de condições pessoais que façam presumir que o liberado não voltará a delinquir.

 

Outros requisitos

A concessão do livramento condicional tem como requisito que o indivíduo tenha sido condenado a uma pena privativa de liberdade com duração igual ou superior a dois anos. Além disso, o apenado deve ter cumprido mais de metade da pena para que seja concedido o benefício, na hipótese de ser reincidente em crimes dolosos. É necessário, também, o bom comportamento durante a execução penal. Não sendo o crime doloso, deve ele ter cumprido 1/3 da pena.

Outros requisitos, para além do bom comportamento, constam no bom desempenho no trabalho e a capacidade de se sustentar por si só. Além disso, se possível, é necessária a reparação do dano gerado pela infração executada.

No caso dos apenados condenados por crimes dolosos, que tenham sido cometidos com uso de violência ou grave ameaça à vítima, haverá também análise das condições pessoais. Isso é feito para que seja verificada a baixa probabilidade de repetição do delito.

Observa-se o art. 88 do CP, o qual determina que o apenado deve retomar o cumprimento da pena se revogado o livramento. Neste caso, é negado a ele o benefício uma segunda vez. Lê-se:

Art. 88 – Revogado o livramento, não poderá ser novamente concedido, e, salvo quando a revogação resulta de condenação por outro crime anterior àquele benefício, não se desconta na pena o tempo em que esteve solto o condenado.

 

O livramento condicional enquanto direito público subjetivo

O livramento condicional constitui não somente um benefício, mas um direito público subjetivo do apenado. Isso quer dizer que, uma vez cumpridos os requisitos legais necessários à sua concessão, é dever do juiz de execução conceder o livramento ao condenado.

No procedimento, após a oitiva do Ministério Público e do Conselho Penitenciário, deve o juiz deferir o pedido se cumpridos os requisitos legais. Deve-se determinar de forma específica as condições às quais o condenado está subordinado durante o livramento.

 

E mais! Leia também: Corrupção ativa e passiva

Tags:

  • Show Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

You May Also Like

Desvendando as Ciências Criminais

"Fenômenos dessa ordem, mais do que indicadores de curiosidade mórbida pelas mais distintas formas ...

Ainda dá tempo de estudar para OAB?

Nesta reta final ainda dá tempo de estudar algo para a prova de 1ª ...

Ex-borracheiro estuda com 200 kg de resumos por 4 anos e vira juiz no DF

O recém-empossado juiz federal Rolando Valcir Spanholo, de 38 anos, afirma que disciplina e ...

4 coisas que você precisa saber sobre audiência de custódia

Assunto que até o ano passado não era sequer debatido, a audiência de custódia, ...

Indígena Paiter Suruí ingressa nos quadros da OAB

Atenção, obeiros! Tivemos recentemente um boa notícia, que representa a inclusão e a democratização ...

Conheça os centros de estudo do CERS em todo o Brasil

Com as atividades iniciadas desde o fim de 2015, o CERS Centro de Estudos ...