Questão de Constitucional: Razões para Recurso

A 1ª Fase do XXIX Exame de Ordem está realmente dando o que falar. Muitos examinandos estão na expectativa em relação a possíveis anulações de questões. É isso mesmo, no plural. A equipe de professores do CERS já alertou para a possibilidade de recurso em quatro questões da prova aplicada neste domingo. A professora Flávia Bahia aponta uma questão de Direito Constitucional onde cabe a interposição de recurso e sua possível anulação. Confira a  Questão de Constitucional: Razões para Recurso.

Questão de Constitucional: Razões para Recurso

Questão 12 – prova branca.

Questão 15 – prova verde.

Questão 11 – prova amarela.

Questão 15 – prova azul.

O Deputado Federal X, defensor de posições políticas estatizantes, convencido de que seria muito lucrativo o fato de o Estado passar a explorar, ele próprio, atividades econômicas, pretende propor projeto de lei que viabilize a criação de diversas empresas públicas. Esses entes teriam, como único pressuposto para sua criação, a possibilidade de alcançar alto grau de rentabilidade. Com isso, seria legalmente inviável a criação de empresas públicas deficitárias. Antes de submeter o projeto de lei à Câmara, o Deputado Federal X consulta seus assistentes jurídicos, que, analisando a proposta, informam, corretamente, que seu projeto é

  1. A) inconstitucional, pois a criação de empresas públicas, sendo ato estratégico da política nacional, é atribuição exclusiva do Presidente da República, que poderá concretizá-la por meio de decreto.
  2. B) constitucional, muito embora deva o projeto de lei seguir o rito complementar, o que demandará a obtenção de um quórum de maioria absoluta em ambas as casas do Congresso Nacional.
  3. C) inconstitucional, pois a exploração direta da atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária à segurança nacional ou caracterizado relevante interesse nacional.
  4. D) constitucional, pois a Constituição Federal, ao estabelecer a livre concorrência entre seus princípios econômicos, não criou obstáculos à participação do Estado na exploração da atividade econômica.

Gabarito apresentado pela banca: C

Questão de Constitucional: Razões para Recurso

Razões de recurso: A questão versa sobre a Ordem Econômica e Financeira, tratada pelo Título VII da Constituição Federal de 1988. De acordo com o que preceitua o art. 173 da CRFB/88: “Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei.”

Não há alternativa em estreita conformidade com a Constituição, senão vejamos:

A alternativa A apresenta incorreção no que tange a afirmação de que se trata de atribuição exclusiva do Presidente da República via decreto. De acordo com o princípio da simetria, nos planos estadual e municipal, poderiam os governadores e prefeitos, respectivamente, instituir empresas estatais. Além disso, não se faz por Decreto, já que é exigida lei autorizativa, de acordo com o art. 37, XIX da CRFB/88: XIX – somente por lei específica poderá ser criada autarquia e autorizada a instituição de empresa pública, de sociedade de economia mista e de fundação, cabendo à lei complementar, neste último caso, definir as áreas de sua atuação;

A alternativa B também está incorreta, já que a lei autorizativa é ordinária, não sendo exigida lei complementar para tanto, o que também podemos extrair do art. 37, XIX da CRFB/88 (acima citado).

A alternativa C, apesar de parecer correta, também apresenta incorreção, ao mencionar o “relevante interesse nacional”, enquanto a CRFB/88 trata do “interesse coletivo”. O interesse nacional abrange a todos os entes, enquanto o coletivo pode ser apenas de um estado ou de um município, não são expressões equivalentes.

A alternativa D também é incorreta, pois o objetivo não pode ser apenas o lucro, já que a Constituição menciona as hipóteses de relevante interesse coletivo ou imperativos da segurança nacional. Concluímos, portanto, que o mencionado projeto de lei é inconstitucional, seja em razão do objetivo de auferir de lucro, exclusivamente, ausentes as hipóteses de relevante interesse coletivo ou imperativos da segurança nacional, ou, ainda, pelo vício de forma apontado.

 

Tags:

  • Show Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

You May Also Like

29.922 aprovados na lista preliminar OAB

Acabamos de receber os dados oficiais por parte do Conselho Federal da OAB. Menos ...

Promoção relâmpago do curso OAB Premium só hoje e amanhã!

Atenção, OABeiro! Guarde estas datas: apenas hoje e amanhã, segunda e terça-feira, dias 19 ...

1000 dicas para sua aprovação na OAB

O App OABeiro tem uma excelente novidade para você que está se preparando para ...