Recurso de Ética XXIX Exame

O Professor Paulo Machado identificou a possibilidade de interposição de recurso em uma das questões de Ética da 1ª Fase do XXIX Exame de Ordem, realizada neste domingo. Segundo Paulo Machado, a questão trata dos termos do art. 12 do Novo Código de Ética e Disciplina e pode ser anulada. Confira as razões de recurso.

Recurso de Ética XXIX Exame:

Milton, advogado, exerceu fielmente os deveres decorrentes de mandato outorgado para defesa do cliente Tomás, em juízo. Todavia, Tomás deixou, injustificadamente, de efetuar o pagamento dos valores acordados a título de honorários. Em 08/04/19, após negar-se ao pagamento devido, Tomás solicitou a Milton que agendasse uma reunião para que este esclarecesse, de forma pormenorizada, questões que entendia pertinentes e necessárias sobre o processo. Contudo, Milton informou que não prestaria nenhum tipo de informação judicial sem pagamento, a fim de evitar o aviltamento da atuação profissional. Em 10/05/19, Tomás solicitou que Milton lhe devolvesse alguns bens móveis que haviam sido confiados ao advogado durante o processo, relativos ao objeto da demanda. Milton também se recusou, pois pretendia alienar os bens para compensar os honorários devidos. Considerando o caso narrado, assinale a afirmativa correta.

  1. A) Apenas a conduta de Milton praticada em 08/04/19 configura infração ética.
  2. B) Ambas as condutas de Milton, praticadas em 08/04/19 e em 10/05/19, configuram infrações éticas. C) Nenhuma das condutas de Milton, praticadas em 08/04/19 e em 10/05/19, configura infração ética. D) Apenas a conduta de Milton praticada em 10/05/19 configura infração ética.

Fundamento para recurso

A banca considerou como gabarito a letra B.

Acontece que, nos termos do art. 12 do Novo Código de Ética e Disciplina, a conclusão ou desistência da causa, tenha havido, ou não, extinção do mandato, obriga o advogado a devolver ao cliente bens, valores e documentos que lhe hajam sido confiados e ainda estejam em seu poder, bem como a prestar-lhe contas, pormenorizadamente, sem prejuízo de esclarecimentos complementares que se mostrem pertinentes e necessários.

Acontece que a questão não menciona se houve CONCLUSÃO OU DESISTÊNCIA DA CAUSA, como previsto no aludido art. 12 do CED.

Mesmo constando no enunciado que o advogado MILTON exerceu (verbo no tempo indicativo de passado) fielmente os deveres decorrentes de mandato outorgado para a defesa dos interesses do cliente, a questão não é clara! Repito! A questão não diz se houve conclusão ou desistência da causa.

A questão não trouxe esta informação, o que causou prejuízo ao candidato, pois atualmente o mandato pode ter duração por tempo determinado (art. 18 –  O mandato judicial ou extrajudicial não se extingue pelo decurso de tempo, salvo se o contrário for consignado no respectivo instrumento).  Em outras palavras, MILTON pode ter exercido fielmente o seu mandato até o final do prazo estipulado nele, sem que tenha ocorrido a CONCLUSÃO OU DESISTÊNCIA DA CAUSA.

Diante do exposto, a questão merece ser anulada.

 

Tags:

  • Show Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

You May Also Like

Como controlar suas emoções para a 2ª Fase OAB

Olá, OABeiro! Está com dedicação total na preparação para a 2° fase da OAB? ...

Escolhendo a 2ª Fase OAB – Administrativo

Termina no dia 09 de dezembro o prazo de inscrição para o XXXI Exame ...

Domingão OAB: Dica sobre Emancipação

Salve salve OABeiros, Guerreiros da OAB. Tem alguém estudando em pleno domingo? Quem deseja ...

Repescagem sem pressão

Aos examinandos que irão se inscrever na repescagem OAB, vale a dica: a repescagem ...