Salário é impenhorável para pagar honorários advocatícios, diz STJ

Salário é impenhorável para pagar honorários advocatícios ,diz STJ

O entendimento surgiu após ser aberta exceção à regra da impenhorabilidade de verba alimentar para pagamento de prestação alimentícia. A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça decidiu por maioria de 7 a 6 que o salário é impenhorável para pagamento de dívida decorrente de honorários advocatícios.

Na decisão prevaleceu o voto da relatora, ministra Nancy Andrighi. Ela diferenciou conceitualmente o termo “prestação alimentícia”, restringindo-o a alimentos decorrentes do vínculo familiar, como a pensão alimentícia. Dessa forma, a expressão não abarca toda e qualquer prestação que tenha natureza alimentar, como os honorários.

Divergência no julgamento

O julgamento foi bastante apertado, como pode ser visto pelo placar de 7 a 6. A divergência no julgamento foi aberta pelo min. Luís Felipe Salomão, que acredita que os salários podem ser penhorados devido à leitura do § 2º do art. 833, CPC. De acordo com ele, os dispositivos que definem o salário como impenhorável não se aplicam à hipótese de penhora de prestação alimentícia “independentemente de sua origem”.

Segundo o ministro, o legislador do CPC de 2015 quis enfatizar que a exceção se volta para todas as verbas voltadas à subsistência — incluindo aí os honorários. A divergência foi acompanhada pelos ministros Napoleão Nunes Maia, Jorge Mussi, Og Fernandes, Mauro Campbell Marques e Raul Araújo.

O ministro Raul Araújo, ao proferir o voto, explicou que o legislador do CPC 2015 fez uma alteração em relação ao texto anterior e excluiu a “impenhorabilidade absoluta” de certas verbas. Com isso, conferiu ao intérprete certa margem de liberdade para mitigar a regra, o que deve ocorrer de acordo com o caso concreto. E ao analisar o processo, entendeu pela possibilidade da penhora de 15% do salário.

Entendimento antigo

A divergência do ministro Salomão também enfatizou a necessidade de manter a coerência jurisprudencial com o entendimento passado do STJ. Para ele, o voto vencedor faz alteração substancial e inclusive fere súmula vinculante do Supremo Tribunal Federal.

De acordo com o ministro, a súmula define que:

os honorários advocatícios incluídos na condenação ou destacados do montante principal devido ao credor consubstanciam verba de natureza alimentar cuja satisfação ocorrerá com a expedição de precatório ou requisição de pequeno valor, observada ordem especial restrita aos créditos dessa natureza.

Às vezes nossa corte não entende o porquê de o STF invadir nossa competência, mas esse é um caso que vai ensejar uma análise do Supremo se alterarmos o que está previsto na Súmula 47

Para a ministra Nancy Andrighi, a importância está na distinção entre o que é natureza alimentar e prestação alimentar. Segundo ela, a jurisprudência não havia trabalhado com esse aspecto com todo profundidade. “A aceitarmos a tese [da divergência], vamos ter que enfrentar pedidos de prisão civil formulados por advogados quando não houver o pagamento de honorários”, ressaltou. Dessa forma, decidiu-se por este ser impenhorável.

Tags:

  • Show Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

You May Also Like

Maior atuação do advogado no inquérito policial

Quem milita, ou deseja militar, na advocacia criminal tem motivos para comemorar. Isso porque o ...

Advogadas já são maioria nos quadros da OAB!

Advogadas já são maioria nos quadros da OAB!

Há menos de um ano, nós noticiamos aqui no portal que mulheres já eram ...

Projeto propõe que serviços de advocacia sejam fiscalizados pelo Coaf

Projeto propõe que serviços de advocacia sejam fiscalizados pelo Coaf

Um projeto de lei de autoria do senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ) propõe que pessoas ...

Advogados em tempos da Operação Lava Jato

A famosa Operação Lava Jato marca uma fase de destaque internacional do judiciário brasileiro. ...