Anuidade da OAB por R$500? Veja mais sobre o que está em questão no STF!

edital XXXV

Olá, Oabeiros! O sonho pela vermelhinha já é certo, mas você deve lembrar que esse sonho custa caro.

Isso mesmo, o objetivo da vida de muitos, depende assim como qualquer outra organização laboral do pagamento do seu cadastro enquanto profissional da área. No caso da OAB, o advogado ou advogada deve fazer um pagamento anual à instituição.

O conteúdo de hoje é sobre a anuidade da OAB e a atual discussão no STF acerca da constitucionalidade em estabelecer um teto máximo de cobrança no valor de R$500,00.

Nos próximos dias, o Supremo decidirá acerca da viabilidade de uniformização da anuidade da OAB em todo Brasil. Confira abaixo o debate que estará em juízo.

Antes, presta atenção nesse recado!

Faltam pouquíssimos dias para as provas de segunda fase da OAB, não é mesmo? Então dá uma olhada nas dicas especiais de preparação de reta final que a equipe do CERS fez especialmente para você:

A Lei 12.515/2011 e suas implicações na OAB

O assunto da uniformização da anuidade a 500 reais chegou no STF devido às definições da Lei nº 12.515/11. Conforme a letra da lei de contribuições devidas aos conselhos profissionais em geral, a anuidade paga a esses conselhos profissionais não devem ser superiores a R$500,00.

Nesse sentido, a 7ª Turma Recursal do Juizado Especial Federal reconheceu a hipótese destacada no Art. 6, inciso I da referida Lei. Vejamos o que trata o dispositivo:

Art. 6º As anuidades cobradas pelo conselho serão no valor de:

I – para profissionais de nível superior: até R$ 500,00 (quinhentos reais);

A decisão foi recorrida pela Seccional da OAB do Rio de Janeiro, tornando-se  matéria do Recurso Extraordinário com Agravo, que já teve sua repercussão geral reconhecida pelo plenário do Supremo.

A discussão da constitucionalidade da decisão envolve a caracterização especial da OAB, por ir além de um mero conselho profissional.

O que Diz a Ordem dos Advogados do Brasil?

Atualmente, cada seccional da OAB define sua tabela de anuidade. Nesse contexto, o exercício de serviços de advocacia em mais de um estado depende exclusivamente do pagamento da anuidade em cada um deles.

Em sede da discussão no plenário, a Ordem argumenta que sua existência constitucional a pressupõe enquanto agente da garantia da ordem constitucional. Dessa maneira, a ordem se apresenta enquanto estrutura necessária, além da mera representação corporativa.

Nesse sentido, para o Ministro Alexandre de Moraes, a decisão do STF deve buscar a definição da OAB.

No caso, se, mesmo com sua importância à ordem da administração da justiça, deve ser submetida às regras dos outros conselhos de fiscalização profissional.

A OAB/RJ também se pronunciou em defesa do destacado papel da ordem. O seu fundamento pressupõe, além da Constituição, no Estatuto da Advocacia Lei 8906/94 como decisivo para a demonstração das atividades ampliadas da ordem.

Polêmico ou não, a pacificação da matéria será definida nos próximos dias.

Gostou do Nosso Conteúdo?

O Portal Exame de Ordem possui o maior conteúdo digital sobre as provas da OAB. Confira as principais notícias, dicas e recomendações para a segunda fase do certame.

2º FASE OAB: DICAS INFALÍVEIS PARA ESCREVER UMA BOA PEÇA JURÍDICA

RELEMBRE QUAIS SÃO AS PEÇAS MAIS COBRADAS NA 2ª FASE DA OAB

2ª FASE OAB: APRENDA A MELHOR FORMA DE ESTUDAR DIREITO MATERIAL PARA SEGUNDA FASE!

CONHEÇAS OS CURSOS DE 2ª FASE DO CERS

Tags:

  • Show Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

You May Also Like

Atualização Jurídica: Direito Civil

Atenção você que esta ligado nos estudos para a 1ª Fase do XXX Exame ...

OAB-PE aciona MPF contra mensagens de ódio ao povo nordestino

Após o resultado das eleições gerais do último domingo, várias mensagens de cunho preconceituoso ...

Justiça abre ação contra diretores da FGV

Justiça abre ação contra diretores da FGV

O pedido do Ministério Público foi acolhido pelo juiz Eric Scapim Cunha Brandão que ...